Atualizado: 24/05/19 ás 19h45min.

Em Cruzeiro da Fortaleza vem chamando a atenção são os casos registrados de síndrome (ou doença) “mão-pé-boca” que é uma infecção viral contagiosa, causada por um Enterovirus (Coxsackie A16), que acomete principalmente crianças com menos de 5 anos de idade, embora possa afetar adultos raramente. A mão-pé-boca caracteriza-se por lesões na cavidade oral e erupções nas mãos e pés. No município ja foram registrados casos

Orientações:

Forma de Transmissão A transmissão se dá pela via oral, através do contato direto com secreções de via respiratória (saliva), feridas que se formam nas mãos e pés e pelo contato de pessoas infectadas ou então através de alimentos e de objetos contaminados. Apesar de a pessoa infectada poder permanecer eliminando o vírus nas fezes após já terem desaparecido as lesões da boca, mãos e pés, o maior risco de contágio ocorre durante a primeira semana de doença.

Sinais e Sintomas O período de incubação é de 4 a 6 dias. Geralmente a doença inicia-se com febre. Apesar de pouco frequente podem ocorrer casos sem febre. Um a dois dias após surgem aftas dolorosas e gânglios aumentados no pescoço. A seguir surge nos pés e nas mãos uma infecção moderada sob a forma de pequenas bolhas não pruriginosas e não dolorosas, de cor acinzentada com base avermelhada. Essas lesões podem aparecer também na área da fralda (coxas e nádegas) e eventualmente podem coçar. Na maioria dos casos, a doença evolui de forma benigna, com cura espontânea após 7 a 10 dias, sendo pouco frequentes as complicações. É comum que a criança também sofra de dores de cabeça e acentuada inapetência. Nas crianças, a desidratação é a complicação mais frequente em virtude da febre e da ingestão inadequada de líquidos, devido a dor para engolir. Outras complicações podem ocorrer, mas são raras, como meningite viral ou “asséptica”, encefalite e ou encefalomielite e Paralisia Flácida Aguda.

Diagnóstico O diagnóstico é clínico, baseado nos sintomas, localização e aparência das lesões. Em alguns casos, os exames de fezes e a sorologia podem ajudar a identificar o tipo de vírus causador da infecção. É importante estabelecer o diagnóstico diferencial com outras doenças que também provocam estomatites aftosas ou vesículas na pele.

Tratamento Não há tratamento específico. Em geral, como ocorre com outras infecções por vírus, ela regride espontaneamente depois de alguns dias. Por isso, na maior parte dos casos, o tratamento é sintomático com antitérmicos e anti-inflamatórios. Os medicamentos antivirais ficam reservados para os casos mais graves. O ideal é que o paciente permaneça em repouso, tome bastante líquido e alimente-se bem, apesar da dor de garganta.

Medidas de Prevenção e Controle Ainda não existe vacina contra a doença mão-pé-boca. Medidas de prevenção e interrupção da cadeia de transmissão são importantes na Síndrome Mão-Pé-Boca:

As crianças e adultos que estiverem com sinais e/ou sintomas não deverão frequentar escolas ou creches até recomendação médica para o retorno; Lavar as mãos frequentemente com sabão e água, especialmente depois de trocar fraldas e usar o banheiro; Limpar e desinfetar superfícies tocadas com frequência e itens sujos, incluindo brinquedos; Evitar contato próximo, como beijar, abraçar ou compartilhar utensílios ou xícaras com pessoas com problemas de mãos, pés e boca; Crianças devem ficar em casa, sem ir à escola, enquanto durar a infecção; Lembre-se sempre de lavar as mãos antes e depois de lidar com a criança doente; Monitorar locais de maior risco (escolas, creches, clubes entre outros); Todo o caso da síndrome deve ser encaminhado ao serviço de saúde para diagnóstico e orientações, quanto ao tratamento e controle; Disponibilizar sabão líquido e papel toalha nas pias onde são realizadas a higienização das mãos das crianças e colaboradores e o álcool em gel em locais que não tem pia; Orientar profissionais de saúde quanto às medidas de prevenção e controle da cadeia de transmissão, tratamento sintomático e notificação. A VOZ DO POVO.

 

CURTIU ? Vai La Compartilhe Nosso Post No WHATS E Nas Redes Sociais

FAZER UM COMENTARIO