Atualizado: 08/11/2019.

A valorização das raízes africanas na educação escolar, bem como a efetiva aplicação da Lei Federal 10.639, de 2003, que incluiu no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade do estudo de História e Cultura Afro-Brasileira, foi defendida na manhã desta quinta-feira (7/11/19) durante audiência pública da Comissão de Educação, Ciência e Tecnologia da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG). A reunião teve por objetivo debater a educação escolar quilombola na rede estadual de ensino. Os participantes, em sua maioria quilombolas e ativistas, defenderam também a capacitação dos professores e a participação das comunidades e do corpo docente na elaboração dos conteúdos dos livros didáticos. Eles denunciaram ainda episódios de preconceito, perseguição e racismo, deficiências no transporte e na merenda escolar, além de infraestrutura precária das escolas. A VOZ DO POVO.

CURTIU ? Vai La Compartilhe Nosso Post No WHATS E Nas Redes Sociais

FAZER UM COMENTARIO